Suas buscas

Limpar Buscas

Negócios

02/06, ÀS 08:50

Bobby Axelrod da vida real planeja retorno épico

Geraldo Samor e Natalia Viri

Steve Cohen — o gestor de sucesso sem paralelo, riqueza superlativa e ética questionável que inspirou o personagem Bobby Axelrod na série Billions — quer fazer uma volta triunfal ao mercado.

Em 2013, com sua firma condenada por insider trading, Cohen fechou um acordo com a SEC pelo qual se comprometeu a não administrar recursos de terceiros até 2018.

Agora que o prazo está prestes a vencer, ele trabalha para lançar um novo fundo com a meta de captar US$ 20 bilhões – o que seria, com folga, o maior lançamento de um hedge fund na história dos Estados Unidos, segundo o The Wall Street Journal.  Do total, US$ 11 bilhões virão de seu patrimônio pessoal, hoje forçosamente aplicado em seu family office, a Point72 Asset Management. Os US$ 9 bilhões restantes serão captados junto a investidores externos.

Para se ter uma ideia da proeza, o maior hedge fund já lançado até agora tinha US$ 11 bilhões na largada.  E, em seu ápice, a firma de Cohen, SAC Capital Advisors, administrava US$ 16 bilhões.

Enquanto na série de TV Axe rasgou o acordo na cara do promotor Chuck Rhoades, na vida real Cohen não teve tantos cojones: sua firma se declarou culpada e pagou uma multa de US$ 1,8 bilhão. 

A gestora teve oito funcionários condenados, incluindo o trader Mathew Martoma; preso, ele serve uma sentença de nove anos. A única acusação formal contra Cohen foi ter falhado em supervisioná-lo, mas o texto do acordo com a SEC mostra outro paralelo da vida real com a ficção.  Assim como o personagem 'Dollar Bill' em Billions, Martoma conversou com um médico sobre resultados ainda não-públicos de testes clínicos feitos com uma nova droga; a informação foi usada para montar posições em Bolsa. (Na série, Dollar Bill extrai a informação de um fazendeiro.)

Wall Street se prepara para a volta de Cohen desde que ele fez o acordo com a SEC. Ele nunca fez questão de esconder o desejo de voltar à ativa e, ao contrário da maioria dos family offices, a Point72 sempre fez questão de se manter nos holofotes.

A gestora conta com profissionais de relações públicas para lapidar sua imagem, lançou um programa para treinar recém-formados que podem ser contratados, e tem um ex-procurador federal no quadro de funcionários para manter o negócio na linha.

Segundo o Business Insider, o resultado dos esforços de captação de Cohen vai mostrar se o que prevalece no mercado é o passado ou o futuro de Cohen — sua reputação como gênio do trading que conseguiu um retorno médio anualizado de 25%… ou a de mercenário que ganhou dinheiro à custa de trapaça?

O mercado vai se pronunciar nos próximos meses, mas John Coffee, o respeitado professor de Columbia especializado em mercado de capitais, já antecipou sua resposta: ele disse ao WSJ que um retorno triunfal de Cohen seria “uma prova extraordinária” da falta de escrúpulos do mercado.  “Temo que ele vá achar muitos clientes."

 

Tags
    Negócios Gestores

http://www.braziljournal.com/1326

Negócios

27/06, ÀS 13:30

O mercado de juros ficou pequeno para Marcio Appel

Gestora lança novo multimercado que pode captar R$ 30 bi

Geraldo Samor










Tags
    Gestores

http://www.braziljournal.com/1366